Camarão à Luxemburgo

por Marcial Salaverry

Mais uma vez, a seleção brasileira foi o retrato do condutor...prepotente, confusa, sem saber o que fazer... Os jogadores, decididamente, assumiram a personalidade do treinador. Cada qual queria resolver sozinho, para se transformar no grande herói... e o conjunto... bem o conjunto que se dane. Então, era Roger, ou Ronaldinho, ou Fabiano, pegando a bola e saía driblando todo o mundo, até perder... e tome contra-ataque. Os camaronenses deram uma lição de como se joga futebol competitivo. Com uma garra comovente, um espírito de conjunto incrível, uma disciplina tática de dar inveja. A "linha burra" que montaram era perfeita. Só nossos jogadores (e técnico) não perceberam. Quando passou do milésimo impedimento, desisti de contar. Incrível... todos os que assistiam o jogo sabiam como neutralizar a linha de impedimento. Bastaria um de nossos "craques" (ou crack ?) fazer um lançamento para ele mesmo. Jogar a bola para frente e sair correndo atrás... Os "iluminados" que estavam em campo não percebiam nada. E tome impedimento. Até aquele que não era, o bandeirinha deu (talvez tenha sido cãimbra). Agora, espero que aquele velho provérbio HÁ MALES QUE VEM PARA O BEM, seja verdadeira e graças a essa derrota, o Luxemburro seja defenestrado, dispensado, demitido, degredado, e mais algumas coisas.

Quem viver, verá.

line1.gif (910 bytes)