Adhemar Canguru

por Marcial Salaverry

O atletismo brasileiro está de luto. O atletismo só, não. Creio que todos os brasileiros que realmente se acreditem brasileiros, devem fazer um minuto de silêncio em homenagem ao grande atleta que se foi.
Adhemar Ferreira da Silva foi, sem dúvida alguma, o maior nome do esporte brasileiro. Foi o único atleta brasileiro a ganhar duas medalhas de ouro olímpicas, em Helsinque e em Melbourne. Há que se ressaltar que Adhemar nunca teve treinamento no Exterior, sempre lutou com a mais absoluta falta de recursos. Se hoje nossos atletas se ressentem desse problema, calculem na época... Para que se faça uma idéia, Adhemar solicitou uma licença em seu emprego na Prefeitura de São Paulo em 1956, para defender o Brasil em Melbourne. A licença foi recusada pelo então Prefeito Janio Quadros. Mesmo com a recusa, nosso herói optou por defender o Brasil. Ao regressar, com a medalha de ouro no peito, foi agraciado com a demissão do emprego... Pode? Pois foi o que aconteceu.
Felizmente a iniciativa particular sempre o amparou. Primeiro, seu clube de coração, o São Paulo F.C. que sempre o amparou. Aliás, aquelas duas estrelas de ouro que o tricolor sempre ostentou em seu uniforme, representam sua homenagem ao grande atleta. Posteriormente o Vasco da Gama também o amparou. Adhemar nunca passou necessidades graças à iniciativa particular, porque no entender das autoridades da época , seus feitos de nada valiam. Enfim, a ingratidão humana sempre foi um fato.
Juntando-se a Ayrton Senna, Ademir de Menezes, Barbosa, Dener, lá estará agora Adhemar Ferreira da Silva, o Canguru, formando a grande Seleção do Esporte Brasileiro. Esportistas que, se nos deixaram fisicamente, permanecerão sempre na lembrança e no coração daqueles que vibraram com suas vitórias, seja por os terem visto ao vivo e a cores, seja por aqueles que só souberam de seus feitos por ouvir dizer. Mas esquecidos, nunca serão. Sempre existirá alguém que os relembre, pois seus feitos foram muitos e muito significativos.
DESCANSE EM PAZ, VALENTE CANGURU.

line1.gif (910 bytes)